quinta-feira, 18 de novembro de 2010

:: Diário do Saber ::

Sorrir é o melhor remédio para aqueles que precisam da cura!

"Não deixe que seus planos fiquem mais importantes do que você mesmo."

"Se você não tem uma visão de futuro, está condenado a viver eternamente a repetição de seu passado."

3 comentários:

ESCRITOR LUIZ LÓES disse...

oi Monise , te seguindo, lindo seu blog, beijos

ESCRITOR LUIZ LÓES disse...

de 14 anos, quando nasceu seu filho varão, a quem deram o nome de Theodoro Henrique, que mais tarde, na carreira sacerdotal seria trocada. Logo após o nascimento do menino, seu pai, Herman Reinke faleceu, deixando sua educação entregue à mãe e à irmã. Enquanto sua mãe Maria ficava muito ocupada em cuidar da propriedade, o pequeno Theodoro Henrique ficava aos cuidados da irmã que, inexperiente, levava a extremos sua responsabilidade. Julgando fazer o melhor pelo irmão ela era muito severa e rigorosa com ele.

Por isso nosso meigo e bondoso Frei Luiz só conheceu na infância rigor e até castigos corporais!
Amãe de Frei Luiz, Maria Reinke, era médium, como seu filho demonstrou ser também, desde cedo. Ela previa acontecimentos tais como temporais e mortes, localizava por vidência animais desgarrados no campo, etc.
Ao tempo da meninice de Frei Luiz, as escolas primárias e secundárias católicas haviam sido fechadas pelo governo e as leigas, segundo o regime prussiano, tinham como objetivo transformar cada aluno em um soldado. Para isso promoviam lutas entre grupos de alunos e como Frei Luiz, de temperamento tão bom, recusava-se a lutar contra seus companheiros, apanhava de vara e varapau.
Dos 8 aos 14 anos (de 1880 até 1886) ele foi obrigado a cursar a escola local, passando por todos esses sofrimentos.
Desde aquela época, Frei Luiz, através de sua mediunidade, "sonhava" com um frade de hábito marrom, trazendo ao colo um menino muito iluminado e "via" também uma terra distante, cheia de flores azuis, com montes elevados e de clima frio, para onde ele vagamente "sentia" que iria um dia.
Finalmente, em 1887 a Alemanha se submeteu ao Papa e o menino pode receber do vigário local suas primeiras aulas de religião católica, logo demonstrando vocação para o sacerdócio.
E com muita tenacidade consegue vencer a oposição da mãe que o queria à frente da propriedade, cuidando da fazenda.
Assim, em 1890, com 18 anos, ele parte para o Colégio Seráfico de Harreveld na Holanda, da ordem de São Francisco de Assis. Em maio de 1894, Theodoro Henrique Reinke recebe o hábito de noviço franciscano e troca seu nome para Frater Aloysius (irmão Aloysio), que mais tarde, no nordeste do Brasil será simplificado para Frei Luiz.

Ele foi o 1º aluno do seminário do Harreveld, inteligente e brilhante, segundo Frei Ciríaco que o escolheu juntamente com outros quarenta jovens para serem missionários no Brasil.

Frei Luiz e seu grupo embarcaram para o Brasil em 21 de junho de 1894 no vapor alemão "Argentina" partindo de Hamburgo. Chegam à Bahia em 10 de julho e vão para o Convento de São Francisco de Assis que fica em um morro denominado o porto. O convento é fechado, parecendo uma fortaleza. Frei Luiz, porém, mesmo vindo para a missão, não reconhece o lugar de suas vidências de menino...
Estava ele, então com 22 anos; um jovem alto e magro, de aparência frágil, como relatou Frei Estanislau ao biógrafo Américo M. de Oliveira Castro.
Infelizmente, as condições sanitárias no Brasil naquela época não eram muito boas e o jovem Frei Luiz, atacado por mosquitos, desenvolve febre amarela. Quando se recupera, ainda debilitado, adquire beribéri e logo após, tuberculose! Vai se enfraquecendo cada vez mais e chega a ter hemoptises! O Alto, porém, sempre vela por aqueles que têm boa vontade e praticam o bem! O que aconteceu então foi narrado pelo próprio Frei Luiz a seu amigo biógrafo Américo M. Oliveira Castro, e por isso não podemos por o fato em dúvida.

ESCRITOR LUIZ LÓES disse...

O Alto, porém, sempre vela por aqueles que têm boa vontade e praticam o bem! O que aconteceu então foi narrado pelo próprio Frei Luiz a seu amigo biógrafo Américo M. Oliveira Castro, e por isso não podemos por o fato em dúvida.